Categorias
Sem categoria

Saúde Pet: Vermifugação

Saúde Pet: Vermifugação

Vermifugação é o ato de dar o remédio de verme para o seu Pet. Em filhotes, o vermífugo pode ser dado a partir dos 20 dias de nascido, e deve ser repetido uma vez por mês até os sete meses de idade, e, então, deve-se dar o reforço da dose a cada quatro meses. Isso porque, como uma criança, seu filhote é curioso e gosta de investigar o ambiente. Os pequenos Pets tem a mania de morder tudo o que encontram pela frente, como sandálias, gramas, sujeiras e ainda “brincam” com baratas e formigas. Tudo isso pode causar ingestão de ovos de vermes. Por isso a vermifugação é importante. A medicação e dosagem corretas do vermífugo são prescritas de acordo com a idade e o peso do Pet, por isso a consulta com o veterinário é fundamental para garantir que esse procedimento seja eficaz.

Quando adulto, seu cão ou gato também pode ter parasitas no intestino e contaminar outros animais e até mesmo as pessoas. Dessa forma, na fase adulta, seu Pet deve ser vermifugado de uma a duas vezes por ano, de acordo com a orientação do veterinário.

Saiba mais em: http://petcare.com.br/blog/por-que-vermifugar-o-seu-cao-ou-gato/

http://www.cachorrogato.com.br/gato/filhotes-gatos/

#Vermifugação #CuidadosPet #SaúdePet #ProtegendoMeuPeludo

Categorias
Sem categoria

Serviços Estima: Dermatologia

Serviços Estima: Dermatologia

Você sabia que o atendimento do Estima também abrange a especialidade em Dermatologia Veterinária? 😁😷🤩

Essa área é uma das especialidades em maior crescimento na medicina veterinária, pois as doenças da pele são cada vez mais comuns e responsáveis por grande parte da procura por veterinários em todo o mundo.👩‍⚕️👨‍⚕️

Os Pets podem desenvolver vários tipos de doenças dermatológicas, como por exemplo, dermatoses infecciosas, alérgicas, parasitárias, imunomediadas, endócrinas e carenciais, sendo que, doenças em outros órgãos e sistemas também podem ocasionar reflexos na pele. 😿

Nos últimos anos, houve grande avanço na dermatologia de cães e gatos, tanto em conhecimentos técnico-científicos, como também nos campos de diagnóstico e terapia.

Sintomas como coceira intensa, lambedura de patas, otites, falta ou queda de pelos, parasitas (pulgas, carrapatos, bernes), secreções e descamações podem indicar doenças de pele. 

O hospital Estima conta com uma equipe especializada pronta para proporcionar ao seu Pet o melhor atendimento e tratamento.

Ligue (12) 3411-6460 

Categorias
Sem categoria

Saúde Pet: Diabetes nos gatos

Saúde Pet: Diabetes nos gatos

Você sabia que os gatinhos também podem desenvolver Diabetes? A Diabetes Mellitus nos gatos é uma síndrome que abrange uma série de doenças de causas diferentes e que se caracterizam pelo aumento da taxa de glicose no sangue (glicemia) decorrente da falta de insulina no organismo ou da sua incapacidade em exercer suas funções.

As principais causas para o surgimento da Diabetes nos gatos são a obesidade e a idade avançada. Estudos mostram que metade dos gatos com essa doença possuem mais de 10 anos de idade. Outros fatores como sexo (os machos são mais acometidos), raça (Sagrado da Birmânia, por exemplo) e algumas drogas, como os corticosteroides, também podem influenciar o desenvolvimento do problema.

O pâncreas, órgão que fica perto do intestino delgado e do estômago, produz uma série de substâncias vitais para o gato. Uma delas é a insulina, um hormônio que promove a entrada da glicose nas células do organismo do Pet. Se o pâncreas não produz insulina ou se o animal tem resistência insulínica, a glicose se acumula no sangue e na urina. Dessa forma, a Diabetes nos gatos se divide em duas grandes categorias:

– Diminuição da produção de insulina (antes conhecido como tipo I) – rara em gatos

– Resistência insulínica (antes conhecido como tipo II) – mais comum em gatos.

O excesso de glicose no sangue é chamado de hiperglicemia. Nesse quadro, o volume da urina aumenta e sua concentração diminui. Com isso o gato passa a urinar com mais frequência (poliúria) e se está perdendo líquidos, ele fica desidratado e com mais sede, aumentando a quantidade de água ingerida por dia (polidispsia). Além disso, ocorre perda de glicose pela urina, o que pode acarretar perda de peso e aumento do apetite (polifagia).

Alguns gatos também podem desenvolver alterações neurológicas por depósito de sorbitol (um produto gerado a partir da glicose) dentro dos nervos. Esses Pets passam a caminhar com os calcanhares totalmente apoiados no chão (andar plantígrado).

Os exames de sangue e urina são os principais métodos de diagnóstico da Diabetes e a principal forma de tratamento é a reposição de insulina por via injetável. Os gatos podem apresentar várias situações ao longo do tratamento, pois podem passar uma fase sem precisarem de insulina, depois podem voltar a tomar a medicação e podem, até mesmo, se curar da doença; o que não ocorre nos cães. Por isso o controle junto ao médico veterinário é importantíssimo.

A melhor forma de prevenir a Diabetes no seu gatinho é manter seu Pet dentro do peso ideal, com uma dieta balanceada, orientada pelo veterinário.